Pequeno Príncipe e a Raposa



– “Bom dia”, disse a raposa.
– “Bom dia”, o Pequeno Príncipe respondeu educadamente. “Quem é você? Você é tão bonita de se olhar.”
– “Eu sou uma raposa”, disse a raposa.
– “Venha brincar comigo”, propôs o Pequeno Príncipe. “Eu estou tão triste.”
– “Eu não posso brincar com você”, a raposa disse. “Eu não estou cativada.”
– “O que significa isso – cativar?”
– “É uma coisa que as pessoas freqüentemente negligenciam”, disse a raposa. “Significa estabelecer laços.” “Sim”, disse a raposa. “Para mim você é apenas um menininho e eu não tenho necessidade de você. E você por sua vez, não tem nenhuma necessidade de mim. Para você eu não sou nada mais do que uma raposa, mas se você me cativar então nós precisaremos um do outro”.

A raposa olhou fixamente para o Pequeno Príncipe durante muito tempo e disse:

– “Por favor cativa-me.”
– “O que eu devo fazer para cativar você?”, perguntou o Pequeno Príncipe.
– “Você deve ser muito paciente”, disse a raposa. “Primeiro você vai sentar a uma pequena distância de mim e não vai dizer nada. Palavras são as fontes de desentendimento. Mas você se sentará um pouco mais perto de mim todo dia.”

Figuras do espetáculo Criaturas da Literatura, da Cia Teatro Lumbra, que reve estreia em 2019, em Porto Alegre, Brasil. Esculturas em papelão, papel, tinta acrílica, PVC, tinta vitral, metal e resina com fibra de vidro. O texto é da obra O Pequeno Príncipe, de Antoine Jean-Baptiste Marie Roger Foscolombe, Conde de Saint-Exupéry, popularmente conhecido como Antoine de Saint-Exupéry. Um escritor, ilustrador e piloto francês que trabalhou para o correio da França e em algum dia, por falha no motor da aeronave, pousou com seu avião na ilha de Florianópolis, no sul do Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.